Aumentar a auto-estima das crianças!

116011_Papel-de-Parede-Mae-e-filha-116011_1280x1024-1024x819Questionei o meu filho, qual a pessoa que também precisa que gostes muito dela? A mãe! E assim foi dizendo muitos nomes até eu lhe dizer que era ELE. Olhou para mim porque deve achar que isso é um dado adquirido, mas nós sabemos que a auto-estima é algo que por vezes não chega assim de forma tão fácil.

Como sabemos que nos tempos que correm as crianças andam sobre grandes doses de pressão que vão causando ansiedade e muitos medos de falhar, acho que é preciso perceber como podemos contribuir para equilibrar esse estado pessoal e sermos agentes ativos de auto estima!

Confiança em si mesmos, confiança na capacidade de serem capazes, maior respeito por si e pelo próximo, são tudo qualidades que uma boa auto estima imprime na personalidade de uma pessoa.

Dicas para promover a auto-estima nas crianças:

1- Abrace-a todos os dias. Quando acorda, quando chega da escola, quando está triste, quando conseguiu conquistar algo! O abraço é uma partilha muito grande e intensa de energia, não perca essa oportunidade! É uma grande demonstração de carinho que acima de tudo transmite conforto e segurança!

2 – Diga que a ama todos os dias. Diga-lhe que está muito bonito, que gosta sempre dele, que pode contar consigo. Diga-lhe o quanto gosta dele sempre que tiver essa oportunidade. Isso ajuda também a desenvolver a capacidade do seu filho exteriorizar os seus sentimentos, perceber que não existe mal nenhum em dizer aos outros o que se sente.

3- Não desrespeite os seus sonhos para o futuro. Se o seu filho começar a dizer que quer ser bombeiro, então porque não? Sorria e aceite o que ele diz com sinceridade, se ele quiser mudar de ideias ele mudará. Nem todos nasceram para serem médicos ou engenheiros, o importante é estar realizado na sua actividade profissional e sentir-se feliz com isso. Ajude-o a encontrar informações sobre a profissão de sonho para que possa perceber quais os estudos necessários.

4 – Diga-lhe o quanto perfeita é,tal como é. Reforce a ideia da sua aceitação pessoal, de que cada pessoa é única e tem muitas qualidades que a fazem ser única, especial e digna de ser amada. Isto ajudará a diminuir a necessidade de ter que ser aceite pelos grupos de amigos custe o que custar. Isso ajuda a criar força para enfrentar as criticas tecidas pelos coleguinhas que muitas vezes os afetam muito. Fará com que exija de si com qualidade e não com culpabilização por não ser aquilo que os outros desejam que seja.

5_PT_web5- Dê ênfase aos pontos fortes e esqueça os fracos. Dê coragem à sua criança de desenvolver aquilo que a torna mais forte, em vez de se focar em mencionar as características que sente em que ela é mais debilitada. Isto não significa que apenas incentive a sua criança a desenvolver as suas capacidades mais fortes, significa um reforço positivo das suas qualidades, em vez de um negativo pela falta delas. Tente evitar linguagem como: “Tu nunca percebes nada! “, ” Parece que és surdo!”, “Nunca fazes nada de jeito!”, porque além de ser destrutiva, sabemos que estamos a falar de uma situação pontual, mas a criança não!

Dica: Desaprove o comportamento, não a criança.

Eevitar: “Porque não me escutas?” ou “Estou farto de te dizer como se faz” ou “Porque não usas o cérebro?” ou “é sempre a mesma porcaria, só fazes asneiras”

6- Aceite a sua criança realmente pelo que ela é. Por vezes isto é mesmo muito difícil, qualquer mãe ou pai tem uma ideia do que a sua criança deveria ser, e tentam sempre encaminhar a sua criança nesse sentido. Este tipo de comportamento é natural pois significa que se ama a criança e se pretende que ela tenha sucesso. Mas o trabalho de uma mãe ou de um pai é aceitar a criança tal como ela é, e sentir-se feliz mesmo que ela seja uma criança diferente. Projetar na criança os nossos sonhos pessoais também é errado, se era um excelente aluno e o seu filho tem dificuldades, encare isso como um desafio para ambos e não como uma falha dele. Os nossos filhos têm personalidades individuais como os adultos, têm os seu medos e desejos que podem passar completamente ao lado da ideia que tínhamos para eles. Por isso apoie.

7- Certifique-se que a sua criança sabe que pode sempre contar consigo. Mesmo que tudo e todos abandonem e critiquem um filho, ele terá de saber que pode sempre contar com a mãe e com o pai. Esta situação também deve ser reforçada nos filhos de pais separados, que mesmo um dos progenitores não estando tão presente fisicamente, estará sempre lá para ele.

8- Se tem uma filha, então é muito importante começar desde cedo a combater a imagem que os meios de comunicação passam: uma mulher tem de ser perfeita, bonita, magra, etc. Não critique o corpo da sua filha, evite comprar revistas que enfatizem a magreza, a beleza como o mais importante no sucesso de uma mulher. Não se auto-critique em frente à sua filha, não diga que está gorda ou que não gosta do seu corpo. O importante é habituá-los a manter um estilo de vida saudável, uma boa alimentação, exercício físico. Assim o corpo terá sempre um aspeto saudável e bonito, porque beleza vem de dentro:)

        .Diga-lhe que mesmo que nos filmes os homens pareçam salvar sempre a mulher em apuros, eles são óptimos companhias e parceiros, mas que ela não necessitará de um para ser bem-sucedida: ela será capaz de tomar conta de si própria. Além disso os homens não são príncipes encantados, por isso ensine-a a lidar com as diferenças, com os defeitos, para que ela possa  ver o rapaz da escola, como um ser humano que tal como ela também está a crescer e a fazer as suas escolhas.

9- Ensine-a a respeitar os outros. Uma criança que saiba tratar bem os outros e que saiba sentir compaixão pelos mesmos, será alguém mais feliz, pois não irá fazer outros sofrer deliberadamente e sem consciência. Assim poderá ajudar a combater o bulling, a fomentar amizades mais sinceras. Tente que não goze, não faça queixinhas, mas sim que ajude os colegas na escola.

10 -Oiça realmente o que a sua criança tem para dizer. Não se limite apenas a acenar com a cabeça, responda e mantenha um diálogo. Isto parece mais simples do que é, com a correria do dia-à-dia em que quase nos sobra apenas o tempo no carro de regresso a casa, ou o jantar, muitas coisas ficam por dizer e contar, e fingimos que ouvimos mas nem prestamos atenção, só dizemos que sim para eles não ficarem chateados. Se não passar a ferro hoje tudo, passe metade, o resto do tempo dedique a dar atenção ao seu filho. Crescer com a ideia de que ninguém nos ouve, fará de nós adultos com dificuldade de expor as nossas ideias e sugestões.

11- Esteja disponível. Mesmo que trabalhe muitas horas, sempre que estiver com a sua criança seja alguém realmente presente, esteja realmente com ela, interaja e faça-a sentir a sua atenção. No final do dia coloque-a na cama, leia-lhe uma história, converse com ela e seja alguém realmente presente, termine sempre o dia com um abraço e um carinho especial.
Seja um exemplo de educação. Se a sua criança vir em si falta de educação então ela sentirá que pode fazer o mesmo, nada como um exemplo. As crianças aprendem com o que vêm e não tanto com o que lhes dizem.

12- Dê liberdade à sua criança de tomar as suas decisões. Mesmo que seja a decisão com que brinquedo prefere brincar, deixe-a escolher e sentir que depois de uma decisão existe uma consequência. As crianças não têm muito controlo sobre as suas vidas, por razões óbvias. É importante não fazer nada por uma criança que saiba que ela é capaz de fazer por si própria. Regra geral tendemos a dizer-lhes que façam aquilo que achamos que tem que ser feito, e outras vezes eles querem montar a pista dos carrinhos e você sabe que dali a 5 minutos vão dormir e terá que ser arrumado, então diz logo que não! Faça um acordo: quando faltar 2 minutos para a cama a mãe diz para começares a arrumar! Se a mochila da escola que querem é horrível para si, mas se é confortável para a coluna…é ele que vai andar com ela…deixe-o escolher!

cristaono_ronaldo13- Ensine-lhe que ela será capaz de fazer tudo a que se dedique. Ensine a sua criança a não ter medo dos falhanços ou fracassos da vida, o perfeccionismo não existe e errar é natural. Pode dar os seus erros como exemplo, para demonstrar que ninguém é perfeito, e se algo corre mal não é o fim do mundo. Tudo se consegue praticando e treinando. De-lhe o exemplo do Cristiano Ronaldo, que é o melhor porque sempre trabalhou para isso. Mas que também falha, que fica triste, mas que contínua sempre a lutar para jogar da melhor forma possível.

14- Reconheça os seus feitos. Reconheça os esforços da sua criança e não apenas o resultado dos esforços. Reconhecer que a sua criança, apesar do resultado, se esforçou para conseguir algo é muito importante, diga-lhe que o que interessa é o esforço que ela fez para conseguir.  Eu sou a favor que de vez em quando se deve dar um presente quando eles conseguem fazer alguma coisa. Uma vez o meu filho demorou uma tarde inteira para fazer os TPC, já estava tudo num alvoroço! Quando ele terminou, fizémos uma dança para ele perceber que conseguiu!

O adequado: “Que lindo que está, conseguiste fazer as orelhas do cão perfeitinhas, tens um traço forte e preciso, entretanto conseguirás desenhar melhor as patas.”

O desadequado: “Que lindo está, está maravilhoso, tão inteligente, sais ao teu pai. Tenho o melhor filho do mundo.”

15- Ensine-a a não se preocupar com o que os outros pensam dela. Ensine-a que o que os outros pensam não é motivo de impedimento de nada do que deseje alcançar. A crítica e o desdém dos outros não são saudáveis e tornam-se destruidores se a criança aprender que deve dar atenção a esse tipo de atitude. Se os outros não gostam não têm de olhar.  Aqui realço que é necessário reforçar que más atitudes magoam os outros, fazer lago ruim e depois pensar, mão me interessa o que os outros pensam de mim é errado.

16- Nunca goze ou aponte os defeitos da sua criança. Chamar a criança de estúpida, burra, incompetente, ou gozá-la por algo que ela fez é um jamais não! Se a sua criança tiver medo de algo, ou se sentir nervosa por fazer um actividade, diga-lhe que é normal o que está a acontecer, e que com o tempo esse medo desaparecerá. Não vale nem a brincar, eles podem não ter estrutura para perceber isso…se nem muitos adultos têm!

17- Encoraje-a a ser aventureira e a experimentar novas coisas. Embora o instinto natural seja proteger os filhos, impedindo que se magoem, pode fazer com que a criança comece a sentir medo de experimentar novas coisas. Existem muitos campos de férias com atividades radicais para cada idade. E isto é só um exemplo. Isto confere de futuro capacidade de se adaptar correctamente às mudanças que a vida nos impõe.

18- Incentive o uso da imaginação. Dê a liberdade criativa que uma criança necessita para se desenvolver, encorajando-a a brincar com a imaginação. Pintar com os dedos, fazer castelos na areia, tudo vale quando falamos numa imaginação trabalhada, só não vale ser careta e ter medo de sujar a roupa!

Alguns comportamentos que ajudam a construir uma forte autoestima:

Sorrisos
Abraços
Toque
Aceitação
Tempo de qualidade
Escuta
Ser solidário
Cooperação
Atitudes ausentes de crítica destrutiva
Atribuir responsabilidades

Estas são algumas dicas simples que de certa forma todos nós temos já intrínsecas em nós, mas nem sempre conseguimos aplicar, e por vezes sem dar-mos conta, em vez de ajudar estamos a complicar.

Tudo o que é feito com amor é bom…o resto de certeza que vem por acréscimo.

Muita Luz

Sara Aisha

Serás tu um adulto Cristal?

original2006_whiteangelMuitos de nós nos questionamos se somos Indígo ou Cristal, ou se não somos coisas nenhuma, mas essa curiosidade é alimentada por muitas coisas que lemos e que sentimos, por isso procuramos características que possamos tomar como nossas.

Podemos começar por caracterizar a energia Cristal como zelosa, sensível, muito intuitiva e com uma enorme ligação espiritual.

Estes adultos cristal provêm de dois grupos:

1- Os que nasceram Indígo e que agora estão a realizar e a atravessar a sua transição para Cristal. É uma transformação física e espiritual que desperta em cada um a energia Cristal de forma a que nos possamos vincular com as crianças cristal e desenvolver o caminho da transformação e da evolução.

2- Os que já nasceram Cristal, que já trazem consigo essas qualidades adquiridas em resultado de um trabalho duro consigo mesmos para evoluírem espiritualmente.

Com isto conseguimos perceber que todos nós com força de vontade, com humildade e com muito trabalho pessoal conseguimos entrar nesse grupo que é quase como o grupo do “Anjos Humanos”. Um grupo que cada vez mais vai emergindo no nosso mundo.

Características:

– São geralmente solitários, não gostam de multidões, preferem ambientes mais calmos.

– A troca de energia com pessoas estranhas é difícil devido à alta sensibilidade que têm.

– Devido às alterações que se vão dando no cérebro ao nível de polarização, podem apresentar por vezes alguns problemas de vocabulário, esquecerem-se de palavras, daquilo que iam dizer.

O processo de mudança de Indígo para Cristal:

(retirado do site Starchild)

– Sensibilidade extrema repentina às pessoas e ambientes. Uma pessoa que antes era sociável e ativa, de repente vê-se a não poder estar em centros comerciais ou em ambientes de multidão tal como restaurantes.

– Um aumento de habilidade psíquica e de consciência. Isto frequentemente manifesta-se em uma habilidade para “ouvir” os pensamentos e sentimentos interiores de outros. Isto pode ser um pouco desconcertante se a pessoa imaginar que as outras pessoas todas também lhe podem ouvir os pensamentos e sentimentos. Também uma sensibilidade extrema para energia negativa em certos ambientes ou pessoas, incluindo uma incapacidade de tolerar certas pessoas que antes lhe eram próximas.

– Esta sensibilidade aumentada pode levar a ataques de pânico e de ansiedade. Estes podem acontecer a qualquer altura, até quando a pessoa acorda à noite. Frequentemente não há razão válida para o ataque, embora a pessoa procure com frequência encontrar uma razão.

– A pessoa também pode sentir-se com a cabeça no ar por longos períodos, apenas querendo se sentar e estar quieta. Isto pode ser irritante para alguém que antes era bastante energético e ativo. Isto é apenas um ajuste da consciência para passar mais tempo nas dimensões superiores e menos tempo na terceira e quarta dimensões. Relacionado a isto há a necessidade de descansar e dormir por muito mais tempo do que o costume, e de uma desaceleração geral.

– Ansiedades obsessivas de humanos serem destruídos (por poluição, falta de recursos, extra-terrestres, tecnologia, etc). Isto acontece porque uma consciência multi-dimensional pode aceder a todos os níveis da mente de grupo, incluindo aquela parte que se agarra aos medos e às ansiedades sobre o modo de sobrevivência da espécie humana. Como a pessoa frequentemente se preocupa com a sua própria sobrevivência, elas tendem a estar em sintonia com esta parte da mente de grupo ou campo morfogenético.

tumblr_mdplbfEfg31qz9qooo1_1280– Uma necessidade obsessiva de perceber o que está acontecendo, levando a mente a ficar hiperativa e a pessoa a ficar com medo que está a ficar maluca ou a sofrer de desgaste. Também um medo de ficar maluca e de ser incapaz de lidar com a vida mundana no futuro. De novo, psicólogos e doutores parecem oferecer muita pouca ajuda.

– Depressão sem qualquer razão, ou relacionado com o estado de crise. Isto é frequentemente apenas a consciência a tirar camadas velhas de energia que precisam de ser liberadas. Não é necessário “processar” ou reviver a experiência, apenas permita ao seu corpo liberar essa energia. Tem paciência com o processo e entende que vai passar.

– Padrões de sono interrompidos, geralmente acordando três vezes à noite, ou mais ou menos às três da manhã. De novo, isto é apenas a consciência a adaptar-se a novos ciclos de actividade. A consciência superior está geralmente mais ativa à noite porque as dimensões inferiores estão mais paradas nesta altura.

– Sentir estranha energia elétrica pelo corpo. O corpo cristal é extremamente sensível, e sente ondas solares, lunares, cósmicas, e energias do centro galáctico. Frequentemente estas energias estão a assistir no processo de “renovação eléctrica” do corpo para poder carregar com estas energias superiores. Pela minha experiência, eu sei que isto pode ser desconfortável. Mas o corpo eventualmente aclimatiza-se a lidar com estas ondas de energia. Provavelmente encontrará estas energias mais intensas por volta da Lua Cheia. A melhor maneira que eu achei de lidar com este fenómeno é ir lá para fora e pôr-se descalço na terra e imaginar a energia correndo pelo teu corpo e para dentro da terra.

– Uma gama inteira de sensações e experiências físicas, geralmente associadas com desintoxicação. O corpo Cristal não contem tóxicos, mas permite que tudo passe por ele. Na verdade, o truque eventual de ser um Cristal é de apenas deixar que tudo passe e não se agarrar a nada. O estado definitivo de liberdade de espirito. Mas neste estágio o corpo precisa libertar anos de lixo tóxico, quer seja físico, emocional ou mental. A libertação é sempre pelo corpo físico, que apresenta sintomas, tais como fadiga intensa, dores de músculos e de articulações especialmente nas ancas e joelhos, dores de cabeça, especialmente na base do crânio, e dores de pescoço e ombros.

– Tonturas ou ficar “aéreo“. Isto é porque está em estados de consciência superiores. Tem que se habituar a estar nestes novos niveis e a se manter “ancorada”. Estas sensações tendem também a aumentar durante fulgores solares e Luas Cheias.

– Aumento de apetite e engordar. Isto é porque o corpo precisa de quantias enormes de energia para propulsar este processo.

– A habilidade para ver alem dos véus. Isto quer dizer, de ficar consciente de espiritos, devas, E.Ts e anjos como uma realidade, e comunicar com eles. Isto pode ser bastante assustador se uma pessoa não está habituada a este tipo de consciência dimensional.

– Incentivar a expressão da energia Cristal em si mesmo, em seus filhos e outros, cria aberturas energéticas para um mundo que está nascendo, enquanto o velho mundo está morrendo, para criar a poderosa transformação do céu na terra, enfatizando a empatia e a compaixão, e encontrando o equilíbrio espiritual em um mundo focado materialmente.

 

Dicas para ultrapassar esta situação da melhor maneira:

Fica em paz com o que está a acontecer com o teu ser. Você está a se tornar um Ser Cristal. Outro termo é um “Ser Cristico” que se refere a um ser multi-dimensional com acesso total a 9 dimensões, e talvez 13. A minha experiência até agora é que algumas pessoas só se abrem para a 5D, outras vão para a 6D. Se conseguir atingir a 6D, então conseguirá provavelmente alcançar ainda nesta vida a consciência total da 9D, talvez até num futuro próximo. Que privilégio e benção!!

Seja bondoso consigo mesmo e cuide-se. Lembre-se que como um ser Cristal, você carrega uma harmonia igual da energia “mãe” e da energia “pai”. A mãe diz, cuide-se como se fosse um bebé recêm-nascido, porque de fato é isso que você é. Precisará de tempo para desenvolver força e aprender as novas competências do seu novo ambiente.

Confiança é muito importante aqui. Eu fiz a transição como uma individual ganhando a minha vida com o meu próprio negócio e muito poucos recursos. Estava apavorada que a minha condição fisica não me deixasse ganhar o suficiente para sobreviver. Mas fui “contida” apesar do processo, e ainda tenho a minha casa e tive sempre o suficiente embora tenha havido algumas situações apertadas.

Não tome drogas de qualquer espécie se puder. Obviamente se está tomando medicação para a sua saúde, então você precisa continuar. Mas não tome drogas recreativas de qualquer espécie, porque elas vão agravar o processo e você pode se perder “além” nas dimensões superiores. Tenta também enfrentar a vida sem tomar anti-depressivos ou tranquilizantes, embora se está a tomá-los, vai precisar de conselho médico e não deve parar de repente. O melhor caminho a tomar é medicina homeopática e naturopática, e eu tenho achado que Essências Florais ajudam bastante também.

Evite multidões e lugares cheios de gente. Eu aperfeiçoei a arte de fazer compras semanais em uma hora relâmpago de modo a cuidar das minhas necessidades mas sem passar muito tempo em ambientes tóxicos e cansativos. A chave aqui, é segurar a sua própria paz e harmonia tão vigorosamente de modo que em vez de ser afetada pelo ambiente, é você que afeta o ambiente de maneira positiva. A pessoa Cristal segura e carrega sempre energia positiva, mas aprenderá a usá-la de maneiras incrivelmente poderosas uma vez que tenha atingido o seu equilibrio e que seja capaz uma vez mais de se mover entre as pessoas com facilidade.

– Permaneça ancorada e centrada. Isto pode ser um desafio grande para aqueles que se estão a aclimatizar à consciência dimensional superior. Vai se sentir frequentemente tonta e “aérea”. Mas tenta tomar atenção total aos aspectos de vida fisicos e de ancoro. A chave aqui é passar tempo fazendo exercício, andar ou atividades culinárias ou artisticas. Não passe horas em frente da TV ou perdido em jogos de computadores. Estes apenas servem para não se sentir ancorada.

– Passe quanto tempo puder na Natureza. Vai achar que passar tempo ao ar livre e ao sol vai ajudar e reforçar os seus corpos. As Devas também estão aqui para suportar os seus processos.

– Come simples e come tanta fruta e vegetais frescos quanto for possível. Deram-me orientação que arroz castanho e vegetais são o melhor tipo de comida para este corpo novo. No entanto sacia os teus desejos – os meus têm variado entre lulas e bolo de chocolate. Não é altura agora para fazer dieta. O teu corpo precisa de quantidades enormes de nutrição para sustentar os processos que estás a passar. Pode até engordar, mas vais ter de aceitar que isto faz parte da transição.

Muita Luz

Sara Aisha

Serás tu um adulto Indígo?

rosa 203 aAmigos continuando na temática Indígo, e respondendo aos vossos pedidos, hoje falo para as crianças mais crescidas que também se debatem com esta curiosidade, serei eu também um indigo? Ou um cristal?

Pois então deixo aqui algumas considerações para que possam refletir sobre elas e perceber onde se encaixam e qual a vossa missão neste novo paradigma de crenças que se pretende estabelecer.

Como ajudar a reconhecer:

• São inteligentes, mas não quer dizer que na escola tenham ficado no quadro de honra ou que tenham tido as melhores notas. Sabemos pelas crianças que os comportamento de falta de atenção e de muita agitação levam muitas vezes ao insucesso escolar.

• São muito criativos e gostam de estar a fazer muitas coisas, pois isso dá-lhes imenso prazer.

• Sempre precisam de saber o PORQUÊ, de tudo e principalmente quando lhe pedem algo. Sabemos pelas crianças que respondem melhor a uma conversa do que a uma ordem. Porque sim e porque não, não é a melhor forma de falar com um indigo e levá-lo a fazer seja o que for.

• Desagradava-lhes e odiavam grande parte do trabalho repetitivo e obrigatório da escola. Na escola, eram rebeldes negando-se a fazer os trabalhos e recusavam a autoridade do professor. Ou, então, gostariam de se revoltar mas não se ATREVIAM, geralmente por causa da pressão dos pais. É possível que ainda em adultos sintam essa relutância em fazer coisas que não desejam e isso pode causar problemas em lidar com a chefia, ou terem que ter uma profissão que lhes desagrade e na qual não possam desenvolver a sua criatividade.Têm dificuldades em empregos não dedicados ao serviço. Tal como já foi indicado resistem à autoridade e ao sistema laboral hierárquico. Preferem esforços cooperativos, posições de liderança ou trabalhar sozinhos. Têm profunda empatia por outros, mas também uma profunda intolerância perante a estupidez.

• É possível que desde crianças tenham experimentado a depressão existencial e sentimentos de impotência, os quais podem ter ido desde a tristeza até ao total desespero. Sentimentos suicidas durante a escola secundária ou até antes, são relativamente frequentes no Índigo adulto. A incompreensão que o indigo experiência na vida pode leva-lo a situações de bulling, de exclusão entre colegas e descriminação por parte dos professores.

indigos-g• Podem ser extremamente sensíveis emocionalmente, inclusive chorando por qualquer coisinha porque não se sabem resguardar. Ou então podem ser o oposto e não mostrar qualquer expressão de emoção porque se protegem em demasia, e com isto terem problemas de auto controlo. Têm problemas com os sistemas que consideram «gastos» ou ineficazes, como por exemplo, o sistema político, educativo, médico, legal, etc.

• Não toleram bem o facto de ver que  são privados dos seus direitos e detestam sentir que fazem parte de uma massa que é controlada sem presar a individualidade de cada um.

• Vivem num enorme sonho e com um enorme desejo de  mudar ou melhorar o mundo. É possível que não saibam o que fazer pois não têm facilidade em perceber como o poderão fazer. São cheios de vontade, mas com a castração que sentem perdem um pouco o rumo e a orientação. Têm interesses psíquicos ou espirituais desde muito novos; antes ou durante a adolescência.

• Tiveram poucos ou nenhum modelo índigo para imitar e regem-se muito pela sua forte intuição.

• Padrão de comportamento ou estilo mental aleatório (sintomas de Desordem de Falta de Atenção).

• É possível que tenham problemas para se concentrarem nas suas tarefas. Podem saltar de tema durante as conversações (palestras, dissertações, etc). E isto sabemos que já os acompanha desde a idade infantil. No emprego, complicado! Exige-se muito, e cada vez mais. Nas relações, complicado! Pode parecer que não vivem interessados nelas, ou que andam sempre no mundo da lua e apenas a lutar pelos seus interesses.

• Tiveram experiências psíquicas, tais como premonições, ver anjos ou fantasmas, experiências fora do corpo, ouvir vozes, etc.

• Podem ser sensíveis à eletricidade: os relógios não funcionam, as lâmpadas apagam-se quando passam por debaixo delas, os aparelhos elétricos funcionam mal ou queimam-se os fusíveis.

• Podem ter consciência de outras dimensões e realidades paralelas. Conversar sobre isto com toda agente é complicado com medo que sejam rotulados de malucos ou sonhadores, e é por isso que o indigo muitas vezes se recolhe no sue mundo, por ser julgado em vez de compreendido.

• São muito expressivos sexualmente. Também podem recusar a sexualidade por aborrecimento ou com a intenção de conseguir uma ligação espiritual mais elevada. Podem explorar tipos alternativos de sexualidade.

• Procuram o significado das suas vidas e a compreensão do mundo. Podem consegui-lo através da espiritualidade ou da religião, grupos ou livros de auto-ajuda. É natural que se sintam mais confortáveis em grupos que partilham estes interesses comuns pois conseguem sentir-se parte integrante de um todo.

• Se chegam a encontrar o seu equilíbrio, podem converter-se em indivíduos muito fortes, sãos e felizes.

75273_379865908724108_100001021067068_1171267_1460347669_nEm resumo, se tem um filho indigo, aqui consegue compreender o seu papel para que ele consiga crescer de forma equilibrada sem se sentir sempre diferente e excluído. Ter um papel de apoio e compreensão para com os filhos indigo é meio caminho andado para os ajudar a encontrar o seu lugar no mundo e com isso poderem vir desempenhar a sua missão de mudar os velhos padrões. Oiça-o!

Para os mais crescidos, a eterna oferta de resistência a tudo também não leva a lado nenhum, pode apenas fazer com que se torna uma pessoa do contra à qual ninguém quer dar ouvidos. Procure integrar-se, procure aos poucos espalhar as suas mensagens. Por mais que lhe custe lidar com a autoridade, não se coloque sempre na defensiva, procure aos poucos mostrar os seus pontos de vista, por vezes temos muitas surpresas! Como Indigo facilmente coloca pessoas que não lhe interessam de lado…ajude-as também a evoluir, isto é um processo de todos.

Muita Luz

Sara Aisha

Preciso de ajuda – Marta Esteves

ESCOLA-O-que-pode-estar-a-correr-malBom dia, Tenho um filho quase com 7 anos e ainda ontem voltei a ter reunião com a professora do 1º ano, ele nunca está sentado direito, ou está de lado, ou deitado de barriga para baixo na cadeira, ou descalço, em casa é a mesma coisa, esta postura prejudica-o pois não faz os trabalhos de forma correta, a letra sai mal, os desenhos mal feitos e acaba por “aprender menos”,  a professora já não sabe o que fazer, diz que nunca teve um aluno assim, mas no entanto diz que ele é muito criativo e não é mal educado. Não acho que o meu filho tenha deficit de atenção nem que seja hiperativo, também nunca fui avaliar a situação, mas noto que é irrequieto e na idade escolar vai ter algumas “dificuldades” devido à sua maneira de ser.
Escrevo então para vós, para me aconselharem a lidar com esta situação.
Muito grata,
Marta Esteves

Amigos,

enviem as vossas respostas para

criancasluz@sapo.pt

para que possam ser publicadas e para servirem de apoio a esta mãe:)

Muita Luz

Sara Aisha

Vejam abaixo uma resposta que me chegou, e agradeço à Ana pela sua disponibilidade em ajudar a Marta e acreditem que também a mim.

Também a sugestão da Olga Mendes, que eu acho muito válida, porque acredito nas terapias complementares.

:::

Resposta de Ana Luisa Guilhas (psicóloga)

Querida Marta, antes de mais, eu avançaria para um despiste com o pediatra para confirmar que não existe alguma questão orgânica subjacente à situação. Por exemplo, alguma dor muscular ou óssea que possa levar o seu filho a movimentos de compensação experimentando diferentes posturas no sentido de aliviar desconfortos (que podem ser ligeiros e quase impercetíveis).

Em segundo lugar, se acha que o seu filho não é hiperativo, provavelmente não o é. Uma mãe de uma criança hiperativa, tendo conhecimento dos sintomas, dificilmente não os identificaria no seu filho. Ainda que possa acontecer, o mais provável é a situação contrária. Hoje já se vai tendo consciência de que são diagnosticados muitos mais casos de hiperatividade do que os que na realidade existem. Ainda assim, eu levaria o meu filho a um psicólogo para avaliação da situação. Às vezes, dar à criança um espaço de existência e expressão só seus, como é o caso de uma consulta de psicologia, é suficiente para ajudar a criança a “serenar”. Vivemos num mundo onde para algumas crianças é difícil sentir um “espaço próprio” e mesmo para os pais mais dedicados, nem sempre é fácil conseguir cultivar esta dimensão nas suas vidas familiares. Às vezes simplesmente porque estamos a tentar proteger, mais do que a deixar crescer.

Posto isto, eu diria que por razões sociais, culturais e familiares, atualmente ainda existe uma grande tendência para se viver o dia a dia dos nossos filhos, olhando mais para o futuro (que sonhamos para eles) do que para o que eles são efetivamente, hoje, enquanto pessoas. As nossas crenças, por vezes muito enraizadas, nem sempre jogam a nosso favor. O futuro do seu filho será brilhante se, hoje, o seu filho sentir que independentemente do que faça e do que consiga cumprir em termos escolares (e de outros feitos), vai ser igualmente amado pelas pessoas mais significativas das suas vidas. Mais do que saber, é muito importante que o seu filho sinta isso.

A Marta gostava que o comportamento do seu filho mudasse. E o seu filho? É isso que quer? É tão bom ser livre e descalçar-se e sentar-se na posição que bem quer e lhe apetece… TÃO BOM SER LIVRE… Poucos de nós adultos o somos verdadeiramente. Pense assim… quando, para ele, sentar-se e estar direitinho na sala de aulas for importante, ele vai fazê-lo (excluindo, tal como referi inicialmente perturbações de foro mais grave).

Qual é então a questão que se coloca? Poderíamos considerar que o seu filho não vê, ainda, utilidade ou interesse em aceitar o processo de “formatação” escolar a que as crianças são mais cedo ou mais tarde sujeitas. Não estou a avaliar o sistema escolar, porque estrutura e regras, podem ser importantes. Mas não é isso que interessa discutir aqui neste momento. Mas sim, se o seu filho está preparado para aceitar este processo, que vai sempre implicar que perca/ abdique de parte da sua liberdade.

Como se chega aí? Pois bem, saiba que o seu filho, pelo menos nesta idade (há que aproveitar), está disposto a abdicar de muitas coisas para ser como os adultos. Toda a criança quer um dia ser como os seus pais, ou seja, tem o desejo de crescer e tornar-se adulto. Este processo de “amadurecimento” depende de vários fatores, claro, mas está também muito ligado à vontade dos pais deixarem os seus filhos crescer, respeitando o ritmo deles. Nem sempre é fácil. É frequente, enquanto pais, estarmos num dos extremos, às vezes estimulamos demais, e acabamos por ter filhos “muito crescidos para idade deles” outras vezes, não os deixamos crescer porque achamos que o nosso “bebé” fica mais protegido debaixo da nossa asa. Ambas as situações podem implicar consequências menos positivas.

Como não tenho muitas informações, vou deixar algumas recomendações gerais, que sugiro que adapte, consoante a sua realidade/necessidade:

– É importante que organizem as vossas vidas, de forma a que todos possam ter os seus espaços. É fundamental que o seu filho durma no quarto dele (que apenas deve ser partilhado com irmãos). Se for possível, tenha uma secretária no quarto e ajude-o a viver esse espaço, desenvolvendo atividades em conjunto. Com paciência, sem cobranças e nem exigências. Mais do que o comportamento dele na mesa e na cadeira, será o seu comportamento enquanto modelo que o seu filho irá interiorizar. Para que o seu filho aceite que o mundo dele seja reduzido a uma mesa, é importante que essa mesa esteja associada a uma imagem positiva, fruto de momentos agradáveis.

– Momentos ao ar livre e atividades extracurriculares podem ser uma grande ajuda. Deixe-o andar descalço na praia, em relvados ou até mesmo em casa (quando possível), pois ele parece ter necessidade de libertar os pés e de sentir o chão. Se o seu filho sentir que encontra liberdade em várias atividades da sua vida, poderá mais facilmente abdicar de outros pequenos espaços de liberdade como são os momentos na escola.

– As regras têm um papel chave, pois ajudam a perceber a estrutura familiar (não só) em que está inserido. Mas tenham em atenção, que regras e formatação são coisas muito diferentes! Existem vários livros interessantes sobre este tópico.

– Ajude-o a crescer. Muitas das dificuldades que as crianças têm no início dos percursos escolares devem-se a alguma resistência a crescer. Mais do que deixar, seja ativa no processo de crescimento do seu filho. Pense em ações e estratégias concretas.

– A escola deve deixar de ser o foco das vossas preocupações (pelo menos por um bom tempo). O bem-estar do seu filho é que é. Vá buscá-lo onde ele se encontra (em termos de necessidades, vontades e desenvolvimento). Descubra o que ele quer. Não o que ele diz que quer (porque com 7 anos, já deve ter interiorizado muitos discursos dominantes, que repete ainda que não esteja em sintonia com eles). O sucesso escolar será não o centro, mas uma consequência de tudo o resto.

– Abrace-o, abrace-o muito. Daqueles abraços que se sentem na alma. Enquanto o faz, diga-lhe ao ouvido que “está tudo bem”. Irrequietude, pode ser também sinal de alguma inquietação.

Em jeito de conclusão, porque acho que já me estendi bastante. Ama o seu filho? Verdadeira e profundamente? Sente que ele é uma bênção na sua vida? Está disposta a orientá-lo no seu caminho acompanhando aquilo que ele é, independentemente do que isso seja? Então Marta, está tudo bem! Continue assim. O seu amor será sempre muito protetor. E se calhar, o que lhe parece tão importante neste momento, vai-lhe parecer, um dia, tão, mas tão distante.”

:::

Sugestão enviada por Olga Mendes

Olá Sara,
 
Na minha opinião a Marta Esteves poderia levar o filho (caso não tenha tentado) fazer três sessões de Reiki seguidas, para alinhar a criança. O Reiki na maioria dos espaços já é feito em troca de donativo.
 
Também pode ser feito um tratamento de mesa radiónica quântica, que ajudaria a perceber onde é que está o desequilibro dele ou o que se pode fazer para ajuda-lo.
 
Existe também quem recorra à acupunctura com excelentes resultados.
 
Doce abraço,
 
Olga Mendes

O meu relato

21Muita gente me tem perguntado como surgiu a ideia do Crianças de Luz, eu respondo, rodeio um pouco, mas a verdade é que nasceu como forma de ajudar-me a lidar com o desafio que ser mãe apresenta. Além disso penso que seja justo também deixar o meu testemunho, e juntar-me a todos estes pais que têm visto o blog como mais uma janela para aquilo que eu chamo: educar com arte e educar com muito amor!

Eu sou divorciada (por pouco tempo!), e como divorciada alimentei muitos medos, o medo da culpa de tudo, o medo dele gostar mais do pai do que de mim, o medo de não conseguir lidar com a situação. Ser mãe para mim não começou como tarefa fácil, nada mesmo. Falta de experiência. medos, muitas dúvidas…eu penso que isto seja geral para a grande maioria, a diferença reside na forma como todos nós lidamos com as nossas dificuldades.

O meu filho sempre exigiu muita atenção, e uma pessoa que enfrenta um abalo tão grande como uma separação, acaba por dividir as dores com os filhos mesmo que de forma inconsciente. Isso deixa marca em todos, e eu deixei que essas marcas me consumissem num sentimento de culpa tal, que acabei por baixar a guarda na educação do meu filho, com receio de hipoteticamente não o magoar ainda mais, que aquilo que os pais o magoaram.

E com isto os anos passam, a vida rola, a escola vem e as exigências da vida para os nossos filhos entram assim como se alguém nos tivesse roubado a criança do berço e o colocasse em frente a um quadro capaz de saber que tem que colocar o dedo no ar para responder!

Se ele estava preparado, não sei, só sei que eu estava menos preparada do que ele.

Então vieram as queixas, e mais queixas, vieram os apontar de dedo para a educação que ele teve. E quando fazemos todo um trabalho para nos perdoarmos, parece que alguém vem colocar novamente o dedo na ferida para que possamos perceber se ainda nos dói ou não.

Deparada com esta situação, e com esta minha forma de ser , de querer saber sempre mais e mais, tanto que por vezes sinto-me um Relvas, desculpem se ofendo alguma ideologia politica, mas não é de politica que falo é apenas um trocadilho, mas sinto que tudo o que vivenciei, tudo o que li, tudo o que me perguntei já me vai dando algumas equivalências.

Assim com o interesse e o meu trabalho, descobri o que era o Defice de atenção, a hiperatividade, os indigo e os cristal e a pedagogia waldorf e tantas outras coisas que tenho vindo a partilhar com vocês. Isso abriu-me os horizontes, deu-me esperança, e vontade de ir partilhar com o mundo! E ao mesmo tempo alguma frustração por perceber que o sistema atual não está aberto para novas possibilidades, ou se está são ainda poucos!

Eu sou daquelas pessoas que se encontra uma mega promoção vai logo contar a todos, não preciso de tudo para mim, há uma energia universal que chega para todos!

Então quando percebi que a educação está a precisar de uma viragem e que existem meios para isso, ainda mais tive vontade de continuar a espalhar esta boa nova. E a vontade vem de que os professores e os pais se agarrem a novos conceitos que possam educar crianças melhores que nós! Eu quero que o meu filho seja mais completo que eu, mais firme, mais sólido, e com mais perspectivas de poder sonhar!

A minha relação com a escola dele pela 1ª vez está a ser muito complicada, apresentar queixas sem soluções, é como termos uma criança sempre a fazer queixinhas.

Sei que nos dias de hoje é cada vez mais complicado ensinar. As crianças exigem novos padrões e acima de tudo, e uma das grande diferenças é que as crianças de hoje querem ser ouvidas! E como o sistema as abafa…bom nós sabemos como é ter que engolir sapos, nós sabemos como é ter ideias e haver um soberano que nunca as deixa pôr em prática!

Eu não tenho a receita milagrosa para a mudança, mas já sou um grão!

O Crianças da Luz é como um manual que vou construindo aos poucos também para me instruir. E o porquê de pedir que participem? Porque eu não tenho as respostas todas, porque as perguntas de uns são as perguntas de outros, porque os conhecimentos se completam, porque estamos tristes e cansados de sentir que temos em mãos uma geração que está a ser conotada como os mal criados, os desatentos, os que não respeitam…e  se acreditamos que os nossos filhos são bem mais do que aquilo que a sociedade moderna nos quer fazer crer, então temos que começar aos poucos a mudar mentalidades…todos!

Muita Luz

Sara Aisha.