apoio educacional · home

Os filhos do divórcio – os 20 pedidos de filhos de pais separados

pais_separadosJá algum tempo que andava para escrever este artigo. é uma situação delicada e pessoal para mim, e acredito que já comece a ser para muitos pais.

O meu filho é filho de pais separados, eu não. Quis o destino brindar-nos com experiências de vida diferentes, eu para o fazer acreditar que apesar de tudo as relações são possíveis, que padrasto e madrasta são pais de coração e ele para me ensinar a grandiosidade de ser mãe e pai algumas vezes.

Lembro-me este ano de estarmos na praia e de um miúdo lhe ter dito que estava com a mãe e o padrasto.Penso que foi aí que ele pela primeira vez não se sentiu diferente e viu que é uma situação normal para muitas crianças. E a partir desse momento ter um padrasto já não era esquisito mas sim algo de orgulho que o fazia membro de um grupo que ele ainda não sabe bem qual era!

Este é um artigo escrito directamente do meu coração, com base nas dificuldades que fui sentido, com base no apoio de conselhos de especialistas e em tudo o que vou lendo sobre a matéria.

Como lidar com as crianças:

– Faça-o sempre entender que ele não é culpado do divórcio. Como? Não discutindo com o ex-conjugue á sua frente, nunca fadando mal do pai/mãe. Mesmo que tenha razões de sobra para isso, tente preservar ao máximo a imagem do outro progenitor.

– Cumpra e faça o outro cumprir o que foi estipulado no Regulamento Parental. Lembre-se que a criança precisa que ambos os pais cooperem na sua educação e desenvolvimento.

– Não faça dele um joguete nas suas questões com o outro progenitor. A criança não pode ser vitima de um ex-casal que não se entende. Sei que por vezes esta questão é muito sensível e mais complicada de ser evitada, e que por vezes as pessoas não têm noção que a fazem, mas por favor, fique alerta.

– Cumpra com as suas visitas, telefone e mantenha-se presenta na vida do seu filho. Não há nada pior que encarar um olhar de: a mãe ou o pai não querem saber de mim!

– As pessoas divorciam-se uma da outra, mas não se divorciam dos filhos!

– Apesar da casa da mãe ser diferente da do pai e vice versa, a educação dada à criança deverá ser o mais homogénea possível. Em casa do pai posso! Aqui não podes, as regras são minhas! Quando tiver oportunidade, discute a situação com o pai e chegam a um consenso.

– Alimente sempre a ideia que ambos os pais gostam muito dele, que o querem bem e que estão sempre disponíveis para ele. E fomente o mais possível uma boa relação com o outro progenitor. Não tem nada a ganhar se o quiser só para si, que interesse tem que goste mais de si do que do outro? Nenhum!

– Tem um padrasto ou uma madrasta? Sentir ciúmes é normal quando ele diz que gosta ou fez algo super divertido com eles! Engula os ciúmes, ele não deixa de gostar de si por causa disso. Agradeça ao facto de um estranho gostar tanto dele ao ponto de o tornar uma criança feliz!

Termino com um artigo que li em tempos e que acho que é muito importante reler de vez em quando, com os 20 pedidos de filhos de pais separados:

 

D+f_paisseparadosOs 20 pedidos de filhos de pais separados:

Mãe e Pai …

1 – Nunca esqueçam: eu sou a criança de vocês os dois. Agora, só tenho um pai ou uma mãe com quem eu moro e que me dedica mais tempo. Mas preciso também do outro.
2 – Não me perguntem se eu gosto mais um ou do outro. Eu gosto de “igual” modo dos dois. Então não critique o outro na minha frente. Porque isso dói.
3 – Ajudem-me a manter o contacto com aquele de entre vocês com quem não fico sempre. Marque o seu número de telefone para mim, ou escreva-me o seu endereço num envelope. Ajudem-me, no Natal ou no seu aniversário, para poder preparar um presente para o outro. Das minhas fotos, façam sempre uma cópia para o outro.
4 – Conversem como adultos. Mas conversem. E não me usem como mensageiro entre vocês – ainda menos para recados que deixarão o outro triste ou furioso.
5 – Não fiquem tristes quando eu for ter com o outro. Aquele que eu deixo não precisa pensar que não vou mais amá-lo daqui há alguns dias. Eu preferia sempre ficar com vocês dois. Mas não posso dividir-me em dois pedaços – só porque a nossa família se rasgou.
6 – Nunca me privem do tempo que me pertence com o outro. Uma parte de meu tempo é para mim e para a minha Mãe; uma parte de meu tempo é para mim e para o meu Pai. Sejam consequentes aqui.
7 – Não fiquem surpreendidos nem chateados quando eu estiver com o outro e não der noticias. Agora tenho duas casas. E preciso distingui-las bem – senão não sei mais onde fico.
8 – Não me passem ao outro, na porta da casa, como um pacote. Convidem o outro por um breve instante dentro e conversem como vocês podem ajudar a facilitar a minha vida. Quando me vierem buscar ou levar de volta, deixem-me um breve instante com vocês dois. Não destruam isso, em que vocês se chateiam ou brigam um com o outro.
9 – Vão buscar-me na casa dos avós, na escola ou na casa de amigos se vocês não puderem suportar o olhar do outro.
10 – Não briguem na minha frente. Sejam ao menos tanto tão educados quanto vocês seriam com outras pessoas, como vocês também o exigem de mim.
11 – Não me contem coisas que ainda não posso entender. Conversem sobre isso com outros adultos, mas não comigo.
12 – Deixem-me levar os meus amigos na casa de cada um. Eu desejo que eles possam conhecer a minha Mãe e o meu Pai e achá-los simpáticos.
13 – Concordem sobre o dinheiro. Não desejo que um tenha muito e o outro muito pouco. Tem de ser bom para os dois, assim poderei ficar à vontade com os dois.
14 – Não tentem “comprar-me”. De qualquer forma, não consigo comer todo o chocolate que eu gostaria.
15 – Falem-me francamente quando não dá para “fechar o orçamento”. Para mim, o tempo é bem mais importante que o dinheiro. Divirto-me bem mais com um brinquedo simples e engraçado que com um novo brinquedo.
16 – Não sejam sempre “activos” comigo. Não tem de ser sempre alguma coisa de louco ou de novo quando vocês fazem alguma coisa comigo. Para mim, o melhor é quando somos simplesmente felizes para brincar e que tenhamos um pouco de calma.
17 – Deixem o máximo de coisas idênticas na minha vida, como estava antes da separação. Comecem com o meu quarto, depois com as pequenas coisas que eu fiz sozinho com meu Pai ou com minha Mãe.
18 – Sejam amáveis com os meus outros avós – mesmo que, na sua separação, eles ficarem mais do lado do seu próprio filho. Vocês também ficariam do meu lado se eu estivesse com problemas! Não quero perder ainda os meus avós.
19 – Sejam gentis com o novo parceiro que vocês encontram ou já encontraram. Preciso também me entender com essas outras pessoas. Prefiro quando vocês não se vêem com ciúme. Seria de qualquer forma melhor para mim quando vocês dois encontrassem rapidamente alguém que vocês poderiam amar. Vocês não ficariam tão chateados um com o outro.
20 – Sejam optimistas. Vocês não conseguiram gerir o seu casal – mas nos deixem ao mínimo o tempo para que, depois, isso se passe bem. Releiam todos os meus pedidos. Talvez vocês conversem sobre eles. Mas não briguem. Não usem os meus pedidos para censurar o outro, tanto mal que ele podia ter sido comigo. Se vocês o fizerem, vocês não terão entendido como eu me sinto e o que preciso para ser feliz.

 

Muita Luz

Sara Aisha

Visite-nos também no Facebook

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s