Quarto Montessoriano- decorando quartos para crianças

montessori04Olá amigos,a primeira vez que ouvi este “palavrão” Montessoriano, não compreendi que estava a falar de um tipo de decoração que pretende vir dar uma resposta mais adequada à decoração de quartos ou até de salas de aulas de crianças.

Afinal todas as crianças acabam por se sentir um pequeno Gulliver na terra dos Gigantes, e porque não criar um mudo à medida delas onde se possam movimentar em maior segurança. Com mais espaço e menos dor de cabeça para nós, pois já não vão cair da cama!

Então fui pesquisar este tema, como tantas pesquisas que tenho feito para o meu blog e que tanto me têm ensinado. Aproveitei este maravilhoso mundo da internet e fui tentar conhecer um pouco mais deste conceito inovador mas que acredito que seja pouco usado ou mesmo divulgado…acredito que Portugal não o coloque muito em prática…ainda somos um pouco resistentes à mudança.

 

Como surgiu?

Foi através de uma médica de nome Maria Montessori, que nasceu este método educativo que visa desenvolver e incentivar a independência da criança, o respeito pelas suas habilidades físicas naturais, socais e psicológicas.

O quarto montessoriano defende a ideia de que o ambiente deve ser valorizado de forma a garanta conforto e autonomia à criança.

E nesse método, que defende a individualidade e a liberdade da criança, esses aspectos devem ser estimulados desde cedo, no ambiente em que ela vive. Assim surgindo a ideia do Quarto Montessoriano, valorizando o ambiente, conforto e autonomia da criança!

 

montessoriComo é o quarto montessoriano?

É um quarto minimalista, com pouco móveis dispostos de forma a serem acessíveis às crianças, que crie um ambiente tranquilo, seguro e confortável. Aqui a criança poderá expressar-se livremente e desde cedo cultivar a sua criatividade.

 

Como se decora?

– A cama deverá ser colocada no chão para que a criança possa sair e entrar quando quiser. Coloque almofadas no chão ou encostadas à parede junto à cama para que a criança possa andar pela cama sem cair ou bater no chão.

– Moveis pequenos. Temos muitos à venda agora no IKEA uma vasta linha de cadeiras e mesas com o tamanho certo para as nossas crianças. Coloque os brinquedos à mão, prateleiras em baixo, ou seja monte uma espécie de quarto dos pequeninos!

– Espelhos, coloque-os na vertical à sua altura, se for um bebé pode mesmo colocar um rente a chão para que a criança se possa ver e reconhecer.

-Sabe as barras dos estúdios de dança? Que tal colocá-las nas paredes da sua casa? Assim o bebé vai poder andar sozinho pela casa. Claro que é preciso ter atenção a escadas, portas, mas com os cuidados tomados a criança pode ser muito mais autónoma.

– Coloque as roupas a uma altura onde a criança possa chegar, então as meninas vão agradecer!

montessori09pequenos detalhes…

…usar…

…poucos moveis…

…tapetes fofinhos…

…colocar os objetos à altura dos olhos da criança…

 

 

Muita Luz

Exercicios para o 1º ciclo – o famoso regresso às aulas!

estudar-naoOlá amigos!

é verdade que aqui estou outra vez para conversar mais um pouquinho. E hoje venho embutida do espírito do regresso às aulas!

Duvido que os graúdos não tenham boas recordações desta altura de Setembro. Escolher os cadernos, os lápis, comprar material escolar diferente. Curiosidade para conhecer os colegas novos, ou mesmo a aventura de ingressar numa escola totalmente nova!

Pois eu recordo com muita nostalgia esses tempos inicias! E ainda fico perdida nos corredores dos Hipers ou das papelarias a imaginar se fosse para mi, que cadernos giros levaria eu este ano.

Mas hoje não venho falar de material escolar, melhor, de cadernos e afins, venho falar daquele material que por vezes não é tão apetecido pelas crianças, mas que é uma  boa base de estudo e que pode auxiliar muitos pais na educação escolar dos seus filhos.

Venho deixar-vos aqui algumas fichas de exercícios que poderão fazer em casa com os vossos pequenos. Acedam, escolham as que mais se adequam a eles e sejam professores por um dia! Boa sorte!

 

Português:

1º ano

http://fichasprimeirociclo.no.sapo.pt/index1.html
http://www.ensinobasico.com/1o-ciclo/lingua-portuguesa-1o-ano

2º ano

http://www.quadroegiz.com/p_10.htm
http://fichasprimeirociclo.no.sapo.pt/index2.html

3º ano

http://www.quadroegiz.com/p_11.htm
http://www.recursoseb1.com/portal4/index.php/arquivo-ficheiros/componentes/L%C3%ADngua-Portuguesa/3%C2%BA-Ano-(L%C3%ADngua-Portuguesa)/

4º ano

http://www.quadroegiz.com/p_12.htm
http://www.recursoseb1.com/portal4/index.php/arquivo-ficheiros/componentes/L%C3%ADngua-Portuguesa/4%C2%BA-Ano-(L%C3%ADngua-Portuguesa)/

 

 

Matemática:

1º ano

http://www.quadroegiz.com/p_17.htm

2º ano

http://fichasprimeirociclo.no.sapo.pt/index2.html

3º ano

http://www.quadroegiz.com/p_19.htm

4º ano

http://www.quadroegiz.com/p_20.htm

 

Muita Luz e bons estudos.

Ajuda precisa-se

mjuAmigos, tenho tido pedidos de ajuda de pais com filhos Indígo/ Cristal.

Estes pedidos de ajuda prendem-se com os problemas que os mesmos enfrentam principalmente em ambiente escolar.

Alguém com vontade de dar um esclarecimento?

Peço que os interessados em ajudar, e os que precisam de apoio, enviem email para:

criançasluz@sapo.pt

Vamos todos criar um futuro melhor!

Muita Luz

Sara Ferreira

O meu filho tem TDAH – o relato da super mãe de um super filho

1964705_602687246473291_399655163_nConheci a Fatinha na internet. Um problema de saúde comum foi o mote para o início da amizade, e depois conversa puxa conversa sobre dificuldades que os nossos filhos apresentam no comportamento, a Fatinha acabou por partilhar comigo a sua história sobre o seu filho e a sua história de TDHA.

Acredito que esta seja a história de muitas mães que todos os dias lutam para que os seus filhos sejam respeitados e compreendidos. Que todos os dias procuram as melhores estratégias para que eles possam ter uma vida com as mesmas hipóteses que todos os outros.

:::

O que te fez pensar que o teu filho precisava de ajuda especializada?

O meu filho tinha 7 anos e apercebi-me que ele lia e escrevia ao contrario, escrevia em espelho e trocava o B com o D, o P com o Q, ou ainda o W com o M e o U com p N. Também com os números: o 34 para ele era 43 e o 45 era 54.

Eu estava em Inglaterra e ele escrevia em inglês e quando escrevia god lia dog. Estes são alguns exemplos.

Depois apercebi-me que falava para ele e ele não registava e não dava atenção às coisas. Na hora parecia entender tudo, mas virava costas e não sabia nada, e se eu lhe dava um recado ele só apanhava metade do recado.

Distraia-se muito facilmente com as coisas à sua volta, e quando fazia os deveres de casa com ele, ele rapidamente se esquecia que tinha que se concentrar no que estávamos a fazer e perguntava a que horas vem o papá? O que vamos comer hoje ? Só não pensava no caderno que tinha na frente dele.Na escola dizia-me que não tinha muitos amigos e  que os amigos diziam que ele era chato, e era inquieto quando estava sentado numa cadeira para trabalhar.

Como reagiste à situação?

A minha reação foi pensar que meu filho tinha um problema. Mas ao mesmo tempo não podia ser porque ele era tão especial para mim e aos olhos duma mãe eles são perfeitos. Entrei em negação  para fingir que aquilo ia passar e que iria ser só uma fase ou da idade. Não queremos acreditar que nosso filho é diferente dos outros, e se eu sou uma boa mãe porque é que ele tem que ter defeitos ?

Como soubeste a que deverias recorrer?

A professora já me tinha chamado atenção daquilo que eu também sentia em casa. Pedi ajuda à psicóloga da escola e fui para a biblioteca pública procurar livros que me mostrassem problemas de defice, dislexia e defice de atenção. Estes foram os que mais apareceram nos livros, por isso depressa identifiquei o meu filho naqueles sintomas. E para meu espanto ele tinha eles todos! Não ficava um de fora! Vim para casa e chorei muito e pensei meu Deus se isto for verdade, o meu filho nunca vai ser ninguém na vida! Que vai ele fazer da sua vida de adulto? Vai ser infeliz? Nunca vai ter um bom emprego? O mundo desabou em mim!

Como começaram os diagnósticos?

Depois de chorar tudo, arregacei as mangas e pensei: nem tudo esta perdido porque eu sou uma boa mãe e vou ajuda-lo! O meu filho tem que saber lutar para conseguir o que quer na vida!

Fui para a internet, procurei médicos na especialidade e encontrei uma clinica de diagnostico para crianças com cuidados especiais e  fiz logo a marcação. Fui à consulta e foi-me proposto: 4 encontros com 4 médicos diferentes para lhe fazer uma avaliação.

No fim da avaliação foi doloroso ouvir o resultado, meu filho era hiperativo tinha dislexiadéfice de atenção.Senti que tinha perdido o chão que nem me segurava de pé! Mas não desanimei e com a ajuda deles procurei saber os direitos dele junto da escola, onde lhe foi proposto ensino especial 3 vezes por semana, o ajudou muito, e aos sábados pagava a uma professora de ensino especial num centro de estudo para o ajudar também, e os resultados foram aparecendo.

Chegando ao diagnóstico correto foi mais fácil. Pois ai já sabia como poder lidar com a situação e fui adaptando as coisas à maneira dele como por exemplo: se lhe disse-se a cor vermelha é vermelha ele esquecia-se mas se lhe disse-se vermelho é a cor do sangue ai ele sabia qual era a cor vermelha, amarelo é a cor do sol ai ele sabia qual era o amarelo. Comecei a dar recados mais curtos para ele apanhar melhor. Ao falar para ele tinha a certeza que ele olhava para mim para me entender.Comecei a elogiar tudo o que ele fazia para  ele acreditar que era bom, pois nessa altura o autoestima dele estava em baixo pois já se tinha apercebido que era diferente dos outros meninos. Mas tudo isto eu fazia porque tinha lido nos livros, w não parei de ler livros sobre o assunto. E um dia fui com ele a biblioteca buscar um livro de pessoas famosas que tinham défice de atenção e dislexia e que se tinham dado muito bem na vida, e ele ficou entusiasmado com o que leu e eu também! Aquilo para mim foi como uma aspirina para a minha dor de cabeça! E pensámos os dois, afinal se nós quisermos, conseguimos vencer isto! Então redobrava-me sempre a elogiar tudo o que ele fazia, pois era importante ele pensar que era bom e inteligente.

Qual foi a reação da família?

Nessa altura eu estava a viver em Londres longe dos amigos e familiares, mas quando contei aos amigos e família o problema dele, diziam-me que eu só arranjava desculpas para os comportamentos dele, porque como era hiperativo passava por ser malandro e mal educado e saturava depressa as pessoas. E se estivéssemos num lugar fechado e pequeno e toda gente me dizia ele só é inteligente para o que ele quer,isso deixava-me muito triste!

Como é a vida dele nos dias de hoje?

Hoje meu filho tem 24 anos, está formado como engenheiro informático num curso universitário de 3 anos o qual ele demorou 5 anos a completar, mas o que importa é que hoje é um engenheiro e neste momento  está no estagio final do curso. Está inclusive já a trabalhar fazendo o que gosta e com muita responsabilidade no que faz .

Os sonhos dele e os meus tornaram-se realidade e aquilo que parecia apenas um sonho, depois de tanta luta, virou realidade! Não foi fácil, custou muito, ele tinha que estudar quando os amigos jogavam a bola, ele ficava na sala de aula quando os amigos iam para o recreio, mas nada foi em vão, o sacrifício dele e o meu valeram a pena.

Ao sábado na professora de ensino especial, ele só perguntava: porque não posso brincar ao sábado como os meus amigos? Porque tenho que estar sempre a estudar?  Hoje dá valor a tudo isso e sabe que só chegou ate aqui porque eu não desisti dele!  E quem disse que meu filho não é inteligente,  que não faz o que ele gosta, e que não é um homem de bem com a vida? Ele é feliz,  tem tudo o que sonhou conquistar.

Orgulho-me muito do filho que tenho hoje, ele é um miúdo calmo, responsável, inteligente. Que sabe falar,  estar, e toda gente adora o meu filho, e  todos dizem que é fácil gostar dele.

Que conselhos deixas para outros pais?

Posso dizer que muitas vezes adormeci a chorar porque queria orgulhar-me do filho que tinha e não sabia se ia conseguir! Mas nunca desisti, aceitei o desafio que a vida me deu e cumpri com a minha parte sem nunca desistir, ele era a coisa mais linda da minha vida e eu tinha que fazer com que as pessoas visem que era mesmo!

Com o tempo eles crescem e aprendem uma maneira de decorar as coisas para eles, à maneira deles, nós não as entendemos mas eles entendem e isso é o que importa. Só mais tarde eles compreendem que têm que se esforçar mais e acabam por descobrir isso por eles próprios. Eles são inteligentes nos é que pensamos que não, só lhe vemos os defeitos e não as qualidades,  por isso é tão importante dar elogios o tempo todo, para que sintam que gostamos na mesma deles. E se dissermos tu consegues,  ele não nos vai querer desiludir e vai-se esforçar ao máximo.

O facto de ele não conseguir apertar os cordões dos sapatos, de não decorar as coisas, de  trocar as letras e de não se concentrarem, não quer dizer que eles não se esforçam, simplesmente o lado melhor deles não é esse, pois o meu filho a falar tinha a capacidade de um adulto e todos o admiravam por isso ainda hoje admiram.

Uma vez fui a um medico que lhe fez um teste e escreveu muitas palavras que meu filho disse, e eram palavras que o medico disse serem já um vocabulário usado por uma pessoa de 18 anos e meu filho tinha apenas 8. No final o medico disse-me: você tem um filho muito inteligente, parabéns! E eu a chorar só dizia, o que é que interessa ser inteligente se não escreve nem lê como os outros, pois só o comparava com os outros no que ele falhava. Mas o que ele dizia e os outros da idade dele não, isso eu ainda nem tinha reparado, e lembrava-me do que me diziam muitas vezes, de que ele só era inteligente para o que queria. Aí pensei, se és bom numa coisa tens que ser em tudo! E depois, nós por vezes também queremos demais e não esperamos pelo tempo certo, queremos tudo para ontem!

Hoje eu digo: eu não tenho um filho diferente eu tenho um filho especial!

O meu muito obrigada à Fatinha Costa, e os meus parabéns.

A vida infelizmente por vezes leva-nos a cruzar os braços e a desistir, a da Fatinha não.

Muita Luz

Sara Aisha