TOD – Transtorno de Oposição e Desafio – sabe o que é? – 2ª parte

1406503_25430541Olá amigos, depois de vos ter deixado a pensar sobre esta tema da birra, da zanga, do dizer não e da diferença, acho que estamos prontos para seguirmos em frente e aprofundar este tema que acredito seja do interesse de muitos.

Educar uma criança não é fácil! Eu acho que é o maior desafio da nossa vida e aquela que nos ensina mais sobre nós próprios.

Uma vez com uma pessoa que tive a felicidade que se cruzasse na minha vida, confidenciou-me que quando ele e a mulher souberam que iam ser pais começaram como qualquer futuro pai e mãe que se preze a imaginar como ia ser tão perfeito!

Ele ia ser como eles imaginaram, ia estudar onde eles achavam, ia gostar disto e daquilo, e depois? Bom depois claro que depois nasceu um belo ser humano que como todos os outros é uma pessoa singular! É um grande choque! é complicado lidar e por vezes até aceitar o quanto diferente ele saiu! Mas não há nada melhor na vida que um filho para nos ensinar os valores da: tolerância, aceitação, amizade, paciência!!!!! e acima de tudo…o amor incondicional!

Agora vamos ao TOD:

nota: para qualquer diagnóstico deverá ser consultado um especialista.

 

O que é TOD – Transtorno de Oposição e Desafio?

Para que se possa identificar este transtorno numa criança, deverão registar-se pelo menos por um período de 6 meses os seguintes critérios!

  • Comportamento:
    negativista;
    desafiador;
    desobediente e hostil com as figuras de autoridade (aqui englobamos adultos – pais, avós, professores, etc.)
  • Comportamento:
    perder facilmente a paciência;
    discutir com os adultos;
    desafiar constantemente e ativamente como também desobedecer com frequência às regras impostas pelos adultos; fazer deliberadamente coisas que aborrecem os outros
    responsabilizar os outros pelos seus erros e pelo seu mau comportamento;
    ficar aborrecido com frequência por causa das outras pessoas;
    mostrar raiva e ressentimento
    ser rancoroso ou vingativo

Estes comportamentos devem ser avaliados junto de adultos ou de indivíduos que a criança conheça bem. São essas pessoas que ele vai estar constantemente a tentar ultrapassar os limites e a desafiar.

Acredito e sei que à primeira vista vamos conseguir identificar estes comportamentos em qualquer criança, mas são em situações pontuais. Agora e se como se costuma dizer na gíria popular, ” quando já não é defeito é feitio“.

Há crianças que efetivamente entram nesta espiral e que mais tarde perpetuam este tipo de comportamento hostil que podem trazer grandes desvantagens na sua vida emocional e social. Além disso é um eterno braço de ferro com a família, com os professores.

O aproveitamento escolar é reduzido, a relação com os pais é dificultada diariamente. Estão sempre a ser testados limites, parece não haver uma maturidade para aprender a ultrapassar a frustração, ou mesmo para se responsabilizar dos seus erros.

Afinal de onde vem isto?

Amanhã conversamos de novo! E enquanto isso mais um vídeo esclarecedor!

Leia ainda a 1ª parte deste artigo.

 

Muita Luz

TOD – Transtorno de Oposição e Desafio – sabe o que é? – 1ª parte

imponiendo límitesOlá amigos, após algum tempo de ausência decidi voltar para escrever sobre um tema do qual ouvi falar recentemente numa serie televisiva “Lei e Ordem” da qual sou fã, tema esse o Transtorno e Oposição e Desafio.

Bom na realidade eu acho que cada criança desfia e se opõe muitas vezes aos adultos. Aliás eles estão no seu caminho de crescimento, a aprender a lutar pelo que querem e a aprender sobretudo a lidar com as frustrações.

Todas as crianças passam por estado de raiva, birra e oposição, ou porque têm sono, ou estão com fome, ou não vêm o seu desejo realizado, por isso antes de me alongar sobre este assunto, seria bom que assistisse a este pequeno filme que já tive a oportunidade de partilhar na página do Facebook para que possa refletir sobre as causas que podem levar o seu ou os seus filhos a terem comportamentos mais desafiantes. E penso que é muito importante aceitar o convite da psicóloga Daniella Freixo de Faria, para pensar nas situações que desencadeiam esses comportamentos e com isso delinear estratégias que possam atenuar a birra que se avizinha.:

Vamos a isso?

 

Gosto muito do trabalho desta senhora, os seus vídeos numa linguagem bem acessível, fazem parecer que por vezes nem tudo é tão dramático como parece.

Acredito que nos dias de hoje nos sintamos mais inseguros como pais, eu por mim falo! Somos constantemente bombardeados com novas teorias de aprendizagem, com blogs e artigos que nos relembram o quanto estamos a falhar! Eu acredito que a grande maioria dos pais saiba identificar as suas falhas, só não acho que seja preciso andarmos com um chicote atrás para nos castigarmos por cada vez que fazemos algo injusto.

Eu aprendi com a minha mãe que cada um faz o melhor que sabe e o melhor que pode.

Além disso cada criança representa o seu próprio desafio, e nós estamos sempre a tentar enquadrar os nossos filhos num quadro dito “normal” e por vezes abafamos a sua verdadeira essência por que apenas queremos que eles sejam como os outros.

Eu acredito, que tirando as regras cívicas, não bater, respeitar a aula, ser amigo, saber respeitar os outros, temos que aprender a dar mais espaço aos nossos filhos para que eles possam crescer exactamente como eles são:)

Fantasias-de-crianças-para-o-Halloween-Personagens-masculinos-de-filmesPor vezes temos que ter a coragem de assumir que os nossos filhos são diferentes, ou porque são mais calados, ou porque gostam de roupas esquisitas, ou porque falam pelos cotovelos! Nós adultos também não somos diferentes? Somos sim!!!!!

Nós adultos: o seu chefe pede para sair mais tarde, marca umas férias e o carro avaria, passa horas parado o trânsito! é uma valente seca não é? Faz qualquer um perder a paciência!

Então imagine o que é ir tomar banho antes de ir brincar, o que é fazer os TPC e ver o sol a brilhar lá fora… é seca, e a mais valia é que nós adultos já passámos por isso!!!!

Por isso antes de nos aprofundarmos no TOD, vamos pensar sobre isto sim?

 

A educação espiritual na infância

2014_07_discriminacao_crianças_clade_reproducao Olá amigos, espero que estejam ótimos e bem melhor do que eu, que pela segunda vez no mesmo mês fui abduzida pelo monstro da gripe e da tosse devido a este verão fora de época que sabe bem, mas também faz mal:) Mas fora isso estou bem e feliz! Hoje venho aqui falar de um tema que me é muito querido, na realidade todos são, mas há uns que eu me identifico mais então sinto uma responsabilidade maior em abordá-los, mas faço e dou o meu melhor, como devemos fazer em tudo na vida. Ao longo dos anos, talvez nos últimos 14 , a minha perspectiva sobre a espiritualidade e religião sofreram mudanças enormes. Tem sido um caminho travado por mim em busca das minhas respostas pessoais para que possa seguir um caminho que me faça sentido e onde sinta que me encaixo. Por volta dos anos 90, foi edificada uma nova igreja no fim da minha antiga rua. Sou curiosa então um dia decidi ir sozinha à missa. Aquilo para mim foi grandioso, todo o ritual, as pessoas, aquela linguagem que eu não percebia mas que acreditava que devia ser muito certa. Levada pela curiosidade, e por achar que tinha que ir porque via toda a gente a caminho do altar, fui comungar, e além do embaraço do padre a explicar-me como tinha que colocar as mãos para receber a hóstia, tenho a certeza absoluta que a devo ter mastigado! Como devem imaginar, quando contei este episódio percebi logo que devia ter cometido ali o meu primeiro pecado! Conto este pequeno episódio da minha vida, porque acho que ele resume muito bem a minha posição em relação às religiões ou à espiritualidade. Existe uma quantidade infinita de regras e rituais que não me fazem sentido, mas que têm que ser seguidos, se não não és um bom católico, jeová, evangelista, seja lá o que for que a pessoa processe. Na minha modesta opinião, penso que por vezes somos quase que “obrigados” a seguir tantas condutas, que não nos fazem sentido, mas que estão mais do que canonizadas, que nos esquecemos de valores mais altos como, ajudar o próximo, não fazer mal ao outro, respeitar os semelhantes. Mais facilmente apontamos o dedo a quem mastigou a hóstia do que o aplaudimos pelo bem que faz. E é aqui que entra a educação espiritual nas crianças, como meio de transmissão de valores verdadeiros que crie bases sólidas de fé, força de carácter e amor! Quando eu frequentava a igreja católica e o meu grupo de jovens ( de quem guardo um saudosismo daqueles de verdadeiros bons tempos!), acreditava que a educação católica era a mais correta, mas aos poucos percebi que me tornava fundamentalista e foi aí nesse instante que a minha mente começou a interrogar-se, haverá mais que isto? seminarioculturadepaz2013Não venho aqui falar das minhas opções espirituais, porque são as minhas e porque sei que cada um encontra conforto e orientação na doutrina que mais lhe aprouver, e felizmente que somos livres por poder escolhe-la. Apenas acho que seja qual for a nossa opção, devemos sempre, mas sempre lutar por nos tornarmos pessoas melhores! Quando ele for grande escolhe! Durante alguns anos eu defendi com unhas e dentes que não deveria dar nenhuma educação religiosa ao meu filho, ou futuros filhos, porque achava que a escolha devia ser deles. E como eu sei que há muita gente que defende esta mesma ideia, venho dizer que não a desrespeito mas que tenho atualmente uma visão bem diferente da mesma. Uma  vez uma amiga disse-me que tinha batizado o filho porque achava que isso era o correto, e porque é para isso que os pais servem, para educar mediante aquilo que acham correto, e depois mais tarde ele poderia seguir o seu caminho. Foi a partir daí que comecei a ver esta situação por um novo prisma, e no fundo concordei com ela, e compreendi, então como é que eu, que acho que a educação espiritual é tão necessária não a estou a dar ao meu filho?   Dando liberdade: Por isso neste momento da minha vida, acredito que providenciar uma boa educação espiritual, baseada em principio bons, e que crie crianças mais seguras é ótimo! A escola transmite valores, a família transmite valores, a espiritualidade também. Criamos assim crianças mais completas, não descurando o seu lado mais emocional.   Depois mais tarde, cada um segue o seu caminho.   Muita luz

Quarto Montessoriano- decorando quartos para crianças

montessori04Olá amigos,a primeira vez que ouvi este “palavrão” Montessoriano, não compreendi que estava a falar de um tipo de decoração que pretende vir dar uma resposta mais adequada à decoração de quartos ou até de salas de aulas de crianças.

Afinal todas as crianças acabam por se sentir um pequeno Gulliver na terra dos Gigantes, e porque não criar um mudo à medida delas onde se possam movimentar em maior segurança. Com mais espaço e menos dor de cabeça para nós, pois já não vão cair da cama!

Então fui pesquisar este tema, como tantas pesquisas que tenho feito para o meu blog e que tanto me têm ensinado. Aproveitei este maravilhoso mundo da internet e fui tentar conhecer um pouco mais deste conceito inovador mas que acredito que seja pouco usado ou mesmo divulgado…acredito que Portugal não o coloque muito em prática…ainda somos um pouco resistentes à mudança.

 

Como surgiu?

Foi através de uma médica de nome Maria Montessori, que nasceu este método educativo que visa desenvolver e incentivar a independência da criança, o respeito pelas suas habilidades físicas naturais, socais e psicológicas.

O quarto montessoriano defende a ideia de que o ambiente deve ser valorizado de forma a garanta conforto e autonomia à criança.

E nesse método, que defende a individualidade e a liberdade da criança, esses aspectos devem ser estimulados desde cedo, no ambiente em que ela vive. Assim surgindo a ideia do Quarto Montessoriano, valorizando o ambiente, conforto e autonomia da criança!

 

montessoriComo é o quarto montessoriano?

É um quarto minimalista, com pouco móveis dispostos de forma a serem acessíveis às crianças, que crie um ambiente tranquilo, seguro e confortável. Aqui a criança poderá expressar-se livremente e desde cedo cultivar a sua criatividade.

 

Como se decora?

– A cama deverá ser colocada no chão para que a criança possa sair e entrar quando quiser. Coloque almofadas no chão ou encostadas à parede junto à cama para que a criança possa andar pela cama sem cair ou bater no chão.

– Moveis pequenos. Temos muitos à venda agora no IKEA uma vasta linha de cadeiras e mesas com o tamanho certo para as nossas crianças. Coloque os brinquedos à mão, prateleiras em baixo, ou seja monte uma espécie de quarto dos pequeninos!

– Espelhos, coloque-os na vertical à sua altura, se for um bebé pode mesmo colocar um rente a chão para que a criança se possa ver e reconhecer.

-Sabe as barras dos estúdios de dança? Que tal colocá-las nas paredes da sua casa? Assim o bebé vai poder andar sozinho pela casa. Claro que é preciso ter atenção a escadas, portas, mas com os cuidados tomados a criança pode ser muito mais autónoma.

– Coloque as roupas a uma altura onde a criança possa chegar, então as meninas vão agradecer!

montessori09pequenos detalhes…

…usar…

…poucos moveis…

…tapetes fofinhos…

…colocar os objetos à altura dos olhos da criança…

 

 

Muita Luz

As crianças e o voluntariado

depositphotos_21314155-Crianas-voluntriasOlá meus amigos,

hoje venho aqui falar de um tema pelo qual tenho grande carinho e respeito que é o voluntariado. 

Já participei em algumas campanhas como voluntária e posso afirmar que é sempre uma experiência muito enriquecera para quem participa e muito importante para quem é beneficiado.  Ser voluntário é de tal ordem gratificante a nível pessoal, que muitas vezes o encontramos como uma das formas de combater a depressão.

Mas eu acredito que o voluntário acima de si, deve ter a vontade de ajudar o próximo, de dar de si para o outro e com isto trabalhar para um Mundo melhor e para uma humanidade mais consciente.

Com a chegada do natal ( que já está aí à porta) muitas são as campanhas de solidariedade que solicitam a participação de gente com vontade de trabalhar. Então eu decidi investigar se também existe voluntariado para crianças. E porque não? Afinal é desde pequenos que começamos a formar os nossos valores.

 

Primeiro convido-vos a ler a Declaração Universal sobre o Voluntariado para compreenderem um pouco mais sobre a importância do voluntariado.

 

Como contribui o voluntariado para a formação pessoal da criança?

– Desenvolve suas capacidades e aptidões da criança. Veja como o projeto Book Buddies, contribuiu para o desenvolvimento na leitura infantil.

“De acordo com estudos realizados na Tufts University:
– Animais de estimação podem ser considerados como uma fonte de apoiobook-buddies-mattighan-pagan
– A interação entre humano e animal pode tornar o processo de aprendizagem mais confortável e agradável para as crianças
– Crianças autistas que tiveram contato com animais demonstraram um aumento significativo do uso da linguagem e melhoras nas interações sociais
– Os animais podem não ter uma presença ativa na leitura, mas fornecem apoio e conforto para as crianças, sem julga-las.” in o verso do universo 

– Compreendem o papel que cada um tem na preservação do ambiente, da comunidade e nas relações humanas. Conheça este projeto no Brasil que envolveu 50 mil crianças em regime de voluntariado:  Mãos que ajudam.

 

Leve os seus filhos!

Quando tive a oportunidade de participar na recolha de alimentos para o Banco Alimentaralguns dos parceiros que estavam comigo puderam levar os seus filhos para esta iniciativa. E é muito engraçado assistir ao empenho deles na recolha dos sacos e a informar as pessoas o que é necessário. Penso que é uma boa oportunidade para lhes mostrar a importância de ajudar o próximo deixá-los participar.

É já muito frequente encontrar crianças a participar nestes eventos de recolha de alimentos para desfavorecidos ou campanhas de recolha de alimentos para animais, é sinal que se preocupam e estão dispostos a ajudar.

 

Quando são mais crescidotes:

Este verão encontrei um largo número de adolescentes nas praias da linha de Cascais a fazer limpeza de praia. Não sei se o trabalho seria voluntário, mas acredito que sim. É bom perceber que existem jovens preocupados com a manutenção dos espaços públicos e preservação do ambiente.  Penso que também os podiam colocar a fazer campanhas de sensibilização junto da população, pois isso também iria enriquecer o seu currículo e iriam sentir-se importantes por estarem a ensinar os mais velhos!

 

Participe!

Como pai e mãe dê o exemplo! Participe em campanhas de voluntariado e explique aos seus filhos a importância das mesmas para combater a desigualdade social, o egoísmo, a ganância e para desenvolver o altruísmo e a cooperação.

Nas campanhas de recolha, se puder (porque sei que a vida está complicada), mas se puder, participe e peça ajuda ao seu filho para reunir os alimentos ou outros objetos para dar no final das compras.

Agora no Natal existem muitas campanhas de recolha de brinquedos, faça com que ele separe alguns e os leve para dar aos meninos mais desfavorecidos!!!! Afinal o Pai Natal é para todos!

 

 

Muita luz!

Crianças indigo – conheça algumas

Olá amigos,

antes demais, vamos dar assim um grito daqueles bem bons!!!!! É sexta feira!!!! Aquele dia que tanto esperamos:)

Por isso aproveitem bem estes últimos dias de calor e vão até à rua e façam piqueniques, andem de bicicleta, uma corrida e uma jogatana de bola com os filhos!!! Vale tudo, menos ficar em casa!

Mas hoje não venho aqui falar de planos de fim de semana, venho falar de crianças especiais que tornaram o seu conhecimento e abordagem do mundo e da vida públicos.

Este artigo tinha que vir, porque eu não acredito em coincidências, mas em mensagens que nos são “sopradas aos ouvidos” para que depois possamos divulgar por todos e com isso aprendermos um pouco mais.

Ontem estava a falar com um colega sobre o meu blog. Tivemos algumas conversas entre o foro cientifico e espiritual e ele falou-me de uma criança que tinha grandes memórias de outras vidas que se tornou famoso e eu fiquei com muita curiosidade. Além disso hoje ouvi na rádio pela manhã o quanto as escolas estão mal preparadas para as crianças super dotadas.

Então..vamos conhecer alguns! Bora lá!

 

Assim conseguimos compreender a grandeza destas crianças!

 

20130327140400_06  Boriska:  nasceu na Rússia em 11 de janeiro de 1996  e que diz ter vivido em Marte e que alertou para muitos acontecimentos na Terra.

Aconselho a leitura em:  Nova Era – Alvorecer ; UFOS Online  

 https://www.youtube.com/watch?v=1ohIjjq_9gA

 

akiane-jcAkiane: nasceu nos EUA em 1994 e é desde muito cedo uma artista e poetisa. Vale muito ver os seus trabalhos e conhecer um pouco sobre esta jovem e o seu famoso retrato de Jesus.

Aconselho a leitura em: Nova Era- Alvorecer, blog Mãe de crianças superdotadas

https://www.youtube.com/watch?v=-bmzrjECGgY

 

akritjaswalArkit Jaswal: nasceu em 1993 na Índia é o mais jovem cirurgião do mundo.

Aconselho a leitura em: Nequidnimis

 

Muita luz

Dicas para colocar os pequenotes a ler bem!

Ler_para_crescer[10]Olá amigos,

ontem tive uma reunião com a professora do meu filho, e penso que é nessas alturas que temos real noção de como a escola funciona, das dificuldades dos pequenos e das formas como podemos cooperar para o bem maior.

Então hoje venho aqui falar da importância de ler. 

Bom eu adoro ler, chego a ter 3 livros para ler ao mesmo tempo, porque acredito que a leitura ajuda a estruturar o pensamento, aumenta a nossa capacidade de diálogo e discurso e ainda nos garante um alargamento do nosso vocabulário.

E depois ainda há todo o lado emocional, de nos permitir sentir reis e rainhas, de levar a nossa mente a divagar por lugares longínquos ou a viver grandes paixões.

Mas para isso é preciso saber ler e bem!

Então eu vou deixar aqui algumas dicas que encontrei por aí para que todos juntos possamos fazer uma boa leitura:)

Bora ler?

1 – Ler em voz alta: desde pequeno leia para ele em voz alta. A melhor altura é quando ele vai dormir e nos pede com aquele ar maravilhoso para que lhe leiamos uma história.  O bom é escolher um texto que se adapte à sua idade, e quando já começam a aprender na escola, tente dividir com ele a leitura.

2- Faça perguntas: sobre o que acabou de ler. Isto vai permitir que compreenda se ele entendeu a história. E quando ele não souber responder, ajude-o a identificar a resposta no texto.

3- Assistir a programas educativos: agora com a TV e a internet, programas educativos não faltam para ensinar a ler. Costumam até ter músicas e danças o que se torna ainda mais interactivo e divertido.

4- Ensine o alfabeto: comece pelas vogais, depois vá ensinando as palavras pelos sons. Pode mesmo arranjar um dicionário ilustrado infantil para que ele possa mais facilmente associar e identificar significados. Quando ensinar uma letra, faça várias palavras começadas por ela para ele se ir familiarizando com as conjugações.

5- Fale com o professor: as melhores dicas poderão vir do professor. Tente saber qual o método utilizado e aplique também em casa.

6 – Leia em todo o lado: nas compras leiam os rótulos, dê-lhe a lista de compras, leiam as placas informativas…vale tudo na altura de treinar!

Deixo-vos ainda este guia de alfabetização  para consulta 🙂

 

é muito importante criar nas crianças desde cedo o hábito pela leitura. Tente reservar uns minutos todos os dias para que ele possa estudar e juntos vão ver os progressos!!!!

Não se esqueça de que sempre que ele mostrar uma melhoria de reforçar de forma bem positiva esse ganho!!!! Eles ficam radiantes.

Deixo aqui mais umas coisinhas giras:)

 

Dê uma vista de olhos no Plano Nacional de Leitura

 

“Aprender a ler significa aprender a ler o mundo, e a função do educador não seria precisamente a de ensinar a ler, mas a de criar condições para o educando realizar a sua própria aprendizagem, conforme seus próprios interesses, necessidades, fantasias, seguido as dúvidas e exigências que a realidade lhe apresenta”. (MARTINS, 1999,p.34). in Pedagogia Pé da Letra

Muita Luz